Trekking: esporte de aventura primordial

Scroll down for English
O Brasil está cheio de parques propícios para a atividade, mas recomenda-se a pesquisa dos equipamentos necessários e consulta prévia às administrações locais.

O Trekking pode ser considerado o mais básico, o mais primordial, dos esportes de aventura. Ele surgiu ainda no Século XIX, durante a colonização da África do Sul pelos holandeses. Foi ali que o termo começou a ser utilizado, para caracterizar as difíceis caminhadas a que os colonos ficavam obrigados para dar conta de sua sobrevivência. Os ingleses chegaram em seguida e aderiram ao termo.

Atualmente, temos quatro tipos principais: Um dia – quando uma pessoa, ou um pequeno grupo, pratica uma caminhada por uma trilha voltando ao ponto de início sem acampamento ou equipamentos de expedição; Travessia – quando inclui equipamentos de pernoite, saindo de um local e chegando a outro, porém sem equipe de apoio (o que caracterizaria uma expedição); Regularidade – aqui já é competitivo, com regras próprias para cada evento, mas o básico é cada equipe cumprir um percurso dentro de um tempo pré-determinado, vencendo quem mais se aproximar do tempo ideal; e Velocidade – onde o percurso a ser cumprido pela equipe tem que ser no menor espaço de tempo.

Mas primordial mesmo é garantir baterias sempre carregadas  para curtir o passeio ouvindo o melhor do Rock Independente na sua web-rádio favorita na programação Central Station.

Cinco melhores trilhas do Brasil

Trekking do Vale do Pati – Localizada na Chapada Diamantina é considerada a  trilha mais linda da América do Sul.

Travessia Petrópolis-Teresópolis – Passando pelo Parque Nacional da Serra dos Órgãos é a mais tradicional e popular do trekking brasileiro.

Trekking no Rio do Boi – Fica no Parque Nacional de Aparados da Serra e é uma caminhada de 8km muito técnica, que exige experiência.

Travessia da Ponta da Joatinga – Esta é em Paraty, no Rio de Janeiro, e pode durar até três dias, com 20km atravessa várias praias paradisíacas.

Pico das Agulhas Negras e Prateleiras – Dentro do Parque Nacional do Itatiaia, o trekking do Pico das Prateleiras é considerado um pouco mais fácil, sendo que o parque possui estrutura rústica para visitantes.

Dicas de trekkings fáceis para iniciantes

Os Parques de Lavras e da Rocha Moutonnée, em Salto-SP, são parques municipais com ótimas trilhas e estrutura, como banheiros e estacionamento.

Além disso, também existem as fazendas Conceição e Pirahy, onde foram tiradas as fotos dessa matéria. Nelas há ótimas trilhas de nível médio, que são o “quintal de casa” deste blogueiro que pode te acompanhar como guia por qualquer um desses passeios ao som de playlists como esta , abaixo. Para saber maiores detalhes, basta deixar seu contato aqui mesmo nos comentários.

Trekking can be considered the primordial of the adventure sports. It first appeared in the 19th century, during the South African colonization of  by the Dutch. It was then that the term  was coined, to characterize the difficult plods to which the colonists were forced for their survival. The English soon arrived and adhered to the term.

Currently, there are four main types: One-day – when a person, or a small group, walks along a trail back to the starting point without camping or expedition equipment; Crossing – when it includes overnight equipment, leaving one location and arriving at another, but without a support staff (which would characterize an expedition);

Regular – here it is a competition, with its own rules for each event, but the basic is that each team completes it within a pre-determined time, winning whoever comes closest to the ideal time; and Speed ​​- where the route has to be completed by the team in the shortest time possible.

But the most important thing is to ensure batteries are always charged  to enjoy the tour listening to the best of Independent Rock on your favorite web-radio with Central Station radio shows and, whenever you are in Brazil, just leave us a message and this blogger can guide you to the most exciting local tours such as some of the linked above.

Grafir Jr

Grafir Jr

É esportista de aventura desde a década de 1980, sendo também jornalista do segmento. Iniciou no Mountain Bike participando das modalidades XCO, XCM e Downhill, que é sua paixão. Também é praticante de Trekking, Rapel, Alpinismo, Rafting e Bodyboarding, entre outros. Como jornalista, atuou como editor de esportes nos jornais Cidade e Estância, em Salto-SP.

Compartilhe / Share!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email